História do Museu

Descubra como o Museu Inimá de Paula se tornou um dos melhores de Belo Horizonte

Museu Inimá de Paula

Após o registro de quase duas mil obras em seis anos e da edição histórica de dois volumes de obras catalogadas, a diretoria da Fundação deu inicio à viabilização do museu que eterniza a grande obra e a história de vida desse grande pintor mineiro.

Criar, instalar e manter um museu destinado à exposição permanente de obras e dos itens pertencentes ao acervo da Fundação Inimá de Paula foi um sonho realizado. Um local digno do artista, onde suas obras, documentos, fotografias, livros, objetos pessoais e instrumentos de trabalho são guardados e exibidos, bem como ter acesso fácil a informações, documentários e áudio-visuais sobre o artista, garantindo assim sua história e integridade.

O espaço tem como objetivo não somente servir à divulgação da vida e obra de Inimá, mas também o de abrigar eventos culturais em geral, caracterizando-se com um local aberto à exposições de artistas, seminários, cursos, workshops e outros eventos afins. Agindo assim, o Museu Inimá de Paula se torna um polo emissor cultural ativo e dinâmico.

Transformação do antigo prédio na Rua da Bahia no Museu Inimá de Paula

Belo Horizonte, Rua da Bahia.

Até pouco tempo atrás a gente passava por aqui e via um prédio com as marcas do tempo onde já funcionaram o Clube Belo Horizonte e o Cine Guarani, um espaço meio apagado, meio sem cor. Mas cor é exatamente o que a obra do artista Inimá de Paula nos transmite.

Com a iniciativa da Fundação Inimá de Paula, Belo horizonte ganhou um novo cartão postal, o Museu Inimá de Paula.

São mais de 3 mil metros quadrados totalmente restaurados e remodelados com tecnologia de ponta e segurança, iluminação, e recursos visuais únicos, uma homenagem mais que merecida a um dos maiores artistas plásticos de Minas.

Mais de 100 profissionais trabalharam na reforma e instalação dos seis pavimentos do Museu, numa obra realizada com a preocupação de gerar o mínimo transtorno e garantir a segurança e a qualidade de vida no seu entorno.

Dos 680 metros quadrados de telhado aos 1300 metros quadrados de piso original de taco restaurado, passando pelas 120 portas e janelas totalmente recuperadas foram feitos serviços de demolição, construção, instalação de equipamentos, pinturas, instalação elétrica e hidráulica, tudo isso para que Belo Horizonte ganhe um grande espaço para Cultura e mais um cartão postal.

O espaço Inimá de Paula no salão central abriga uma exposição permanente de mais de 100 obras do mestre mineiro das cores, uma remontagem de seu ateliê e uma apresentação dramática de seus autorretratos, a galeria virtual mostra todas as 1860 obras catalogadas ao longo de 10 anos, onde o visitante opera de forma simples e moderna o sistema que trás uma experiência visual inédita. O exclusivo espaço cultural múlti uso é o único da cidade especialmente construído para abrigar várias exposições paralelas por ano.

Alem de expor a obra de artistas consagrados, o Museu oferece uma grande oportunidade para os jovens talentos exibirem seus trabalhos num espaço de primeira grandeza.

O Museu Inimá de Paula tem ainda um teatro-cinema com 140 lugares, um cibercafé e uma programação muito especial voltada para a arte educação, atendendo escolas, crianças e adultos, que vão encontrar ferramentas áudio visuais interativas para ampliar sua experiência de contato com a arte.

Hoje Belo Horizonte tem mais arte, mais cultura e mais um cartão postal e hoje a Rua da Bahia tem mais cores.

                                                                                                               Ver en español

Museu Inimá de Paula, toda arte, toda cor.

O Projeto

Projetado pelo arquiteto Saul Vilela o museu conta com espaços, estrutura e equipamentos comparáveis aos melhores museus do primeiro mundo. Além dos salões do acervo permanente e o espaço cultural, o museu tem um salão de exposições virtuais que é equipado com um telão de 6x2m onde o visitante poderá ter o raro prazer de escolher e montar inúmeras exposições virtuais a partir de uma tela “touchscreen”. O museu possui cinema, livraria, loja, café-bar e ainda diversas salas convencionais e multimídia que apresentarão em filmes, áudio, entrevistas, livros, objetos, prêmios, slides e fotos a história desse grande mestre. A diretoria da Fundação Inimá de Paula já conseguiu reunir mais de 100 obras – algumas doadas, outras emprestadas em regime de comodato – para constituir o acervo permanente do Museu Inimá de Paula.

Histórico sobre o edifício da Rua da Bahia, 1201

O imóvel localizado na Rua da Bahia, 1201,em estilo Art Deco– predominantemente na Capital mineira no final da década de 30 – foi sede de importantes instituições, como o centenário Clube Belo Horizonte, a Rádio e o Cinema Guarani e a Caixa Econômica Federal do Estado de Minas Gerais (Minas Caixa). Atualmente, abriga a 4ª Companhia do 1º Batalhão da Polícia Militar de Minas Gerais. Em 27 de novembro de 1926, foi lançada a pedra fundamental do Clube de Belo Horizonte. O projeto do edifício foi de autoria do arquiteto Luiz Signorelli, fundadores da Escola de Arquitetura da UFMG, parceiro italiano Rafaello Berti. A finalização das obras se deu em 1928. Em 1941, a Rádio Guarani, um dos veículos de comunicação do grupo Diários Associados, pertencentes ao Sr. Assis Chateaubriand, instalou-se no andar térreo do edifício – sede do Clube de Belo Horizonte. A partir daí, o Cinema Guarani despontava entre os principais da cidade. Permaneceu na edificação até 1981, quando foi fechado. Em 1975, numa decisão que envolveu a diretoria, o conselho e, posteriormente, a convocação de uma Assembléia Geral, o Clube Belo Horizonte deliberou leiloar o edifício. O comprador foi a Caixa Econômica de Minas Gerais (Minas Caixa). Em 1981 o Clube Belo Horizonte mudou-se e o Cine Guarani foi fechado e a Minas Caixa instalou-se no edifício. Desde 1994, quando o prédio teve sua fachada tombada pelo Poder Público Municipal, abrigou a 4ª Companhia do 1º Batalhão da Polícia Militar de Minas Gerais. A autarquia Caixa Econômica (Minas Caixa) foi extinta em 1998. A Secretaria de Estado da Fazenda assumiu responsabilidade pelo prédio. O Estado de Minas Gerais permaneceu como atual proprietário do imóvel, tendo em 20 de Setembro de 2006, assinado contrato de cessão para uso da Fundação Inimá de Paula e instalado, no local, o Museu Inimá de Paula que fará parte do Corredor cultural da Praça da Liberdade.

 

Confira as imagens da construção do Museu Inimá de Paula:

 

Be Sociable, Share!